Cinema

Crítica: O novo e envolvente "Cemitério Maldito"

04 de Maio de 2019 -Redação
[Crítica: O novo e envolvente

Nova adaptação honra o clássico de Stephen King, indo próximo ao original, mas seguindo seu próprio rumo

Se fosse possível, você traria de volta à vida um ente querido? E se você trouxesse, seria capaz de assumir as consequências que viriam junto com ele? Com tom sóbrio e cenário minimalista, “Cemitério Maldito” chega aos cinemas nesta quinta-feira (9), com um terror que trabalha o psicológico do telespectador, sustos pontuais e cenas violentas.

Na nova versão do clássico de Stephen King, o Dr. Louis Creed (Jason Clarke), muda com sua esposa Rachel (Amy Seimetz) e seus dois filhos pequenos de Boston para a área rural do Maine. Lá, eles descobrem no quintal da casa e após uma tragédia Louis segue o conselho do vizinho Jud Crandall (John Lithgow) em algo que mexe com o sobrenatural, encadeando todo o perigo do filme. A trama principal se divide também com o drama do passado de Rachel, que sempre é lembrado, até chegar ao motivo dela se perturbar tanto.

Logo de cara, “Cemitério Maldito” parece não ser tão forte quanto o esperado. É neste ponto que o longa traz um diferencial atrativo. Os diretores Kevin Kölsch e Dennis Widmyer optaram por preparar o terreno na primeira parte, entregando respostas e tensão na segunda, sem muito enrolação ou sem precisar parar para explicar qualquer ação.

Partindo para o elenco e detalhes mais técnicos do longa, não podemos deixar passar despercebido o ótimo desempenho da pequena Jeté Laurence como Ellie Creed, filha mais velha do casal Dr. Louis e Rachel Creed. O ator John Lithgow, na pele do velho Jud, também se destaca ao ser o ponto de explicação de todo o mistério que cerca o cemitério, além de dividir muito bem a atenção na tela em cenas com Jeté. Detalhes como as máscaras, figurinos e sonoplastia completam o cenário sem muito excesso, no ponto ideal para a experiência.

Em “Cemitério Maldito” todos os elementos trabalham para amparar a ação de Louis e trazer corpos à vida, mesmo que seja uma decisão equivocada por vários motivos. A falta de aceitação dos acontecimentos traz ao telespectador os questionamentos apresentados no início do texto e faz com que ele se coloque no lugar do doutor. Tudo isso é passado de forma gradativa, próxima da versão original, mas seguindo a visão sofisticada dos diretores Kevin Kölsch e Dennis Widmyer e sem desonrar a clássica obra de Stephen King.

NOTA:
 
 DE 5

 

 

Comentários

Outras Notícias

[
Telinha

"Sonhadores": minissérie baiana de Julia Ferreia na Amazon Prime

08 de Julho de 2020

Obra traz Salvador diferente de tudo que você já viu, com nomes como Fernando Alves Pinho, Antônio Pitanga

[Sound Bullet lança segundo álbum pela Sony Music Brasil]
Música

Sound Bullet lança segundo álbum pela Sony Music Brasil

08 de Julho de 2020

Em “Home Ghosts”, seu segundo disco, a Sound Bullet dialoga as distâncias físicas e poéticas entre as pessoas

[Campanha #JuntosPeloCinema une setor e lança site e primeiro vídeo]
Cinema

Campanha #JuntosPeloCinema une setor e lança site e primeiro vídeo

07 de Julho de 2020

Por mais de três meses, profissionais se uniram para colaborar num projeto que apoia as empresas na preparação para o momento em que as salas de cinema vierem a reabrir

[Larriquerri presenteia cliente no Dia do Chocolate]
Comer/Beber

Larriquerri presenteia cliente no Dia do Chocolate

06 de Julho de 2020

Cientes que fizerem pedidos acima de R$ 50, tanto no almoço quanto no jantar, ganham delicioso presente

[Chega ao fim a parceria entre Levi Lima e a banda Jammil]
Música

Chega ao fim a parceria entre Levi Lima e a banda Jammil

06 de Julho de 2020

Assessoria do grupo confirma os novos rumos através de comunicado

[Fotógrafo inova nas redes sociais mostrando o antes e o depois]
Mais

Fotógrafo inova nas redes sociais mostrando o antes e o depois

06 de Julho de 2020

Guilherme Pestana tem driblou bloquei criativo trabalhando em casa, com o auxílio de parentes